Frestas e Janelas.

Através da fresta de uma porta vejo o dia passar lentamente.consigo visualizar algumas pessoas sentadas num banco de praça e outras circulando.Sinto uma inveja daquelas que,sentadas,desfrutam do calor de um dia qualquer do mês de Junho.Desvio minha atenção da fresta e passo a observar as janelas á minha frente.
A visão que tenho do jerivá (uma espécie de palmeira) desperta em mim uma lembrança agradável das praias nordestinas.
      Sinto-me uma prisioneira na sala de uma prefeitura de cidade pequena,pois as janelas são como grades que me separam deste dia outonal.Um leve toque do colega do lado acorda-me para a realidade deste meu trabalho aborrecido e monótono,e volto minha atenção para o teclado,inerte á minha frente.
       Sigo meu dia sem mais fugir para meu pequeno paraíso através de frestas e janelas,mas sei que amanhã,com certeza,o visitarei em algum momento.

Texto escrito quando trabalhei alguns anos atrás na prefeitura da minha cidade,naquela época me sentia assim,passado o tempo hoje volto a me sentir assim outra vez,com uma diferença sinto prisioneira de mim mesma.como é dificil recomeçar......

Comentários